efeom

05/07/2022

O estresse crônico é uma condição que afeta a memória, causa gastrite, quedas de cabelo e muda o humor. Saiba lidar e melhorar a sua qualidade de vida.

Irritabilidade, falta de apetite, perda da memória recente.Esses são alguns dos vários sinais do estresse crônico. Mais do que uma mera irritação, uma pessoa com estresse crônico pode desenvolver uma série de sintomas indesejáveis e doenças graves que podem afetar tanto o lado emocional quanto o físico. 

Muito se fala do estresse, mas precisamos entender também os motivos que levam a ele, e quais são seus efeitos no organismo. Diferente do que muitos pensam, o corpo humano está preparado para viver pequenos momentos de estresse, sendo uma reação natural do organismo a situações de perigo ou ameaça. 

Porém mesmo sendo uma reação onde o organismo está preparado, há consequências como uma grande descarga de cortisol no sangue, desencadeando uma reação química que muitos médicos chamam de “luta ou fuga”. 

Durante os picos de estresse o corpo humano entra em estágio de alerta, tendo alterações físicas e emocionais, liberando na corrente sanguínea estimulantes como a adrenalina, cortisol e norepinefrina. Isso provoca o aumento na frequência cardíaca, acelera a respiração e faz os músculos do corpo se contrariem com picos de pressão.

Por isso, em momentos de estresse muitas pessoas dizem que perdem o controle, justamente porque o corpo está totalmente alterado, repleto de cortisol dentro das glândulas suprarrenais. Sendo assim, para agir corretamente, as glândulas precisam desligar certas funções do corpo e, quando a crise passa, os sistemas corporais voltam ao normal.

O que é estresse crônico

O estresse torna-se crônico quando a pessoa se mantém estressada por longos períodos e de forma contínua. Assim, os sinais do estresse não vão embora e o indivíduo segue com a musculação rígida, respiração acelerada, picos de pressão e altos níveis de cortisol na corrente sanguínea. 

Desta forma o estresse normal vira crônico e o corpo perde sua homeostase, afetando várias atividades diárias como a alimentação, sono, sistema digestivo, levando o corpo à exaustão. O estresse crônico também é um fator de risco para doenças como insônia, ansiedade, depressão, transtornos alimentares e hipertensão. 

Como dito anteriormente, é natural ter momentos de estresse. O problema é quando esses momentos tornam-se diários e por longos períodos, assim o corpo perde sua  homeostase. Isso se dá, principalmente, por conta do cortisol, hormônio que é liberado durante todo os momentos de estresse crônico. 

Efeitos do estresse no corpo

Sendo assim o cortisol se liga a receptores presentes no interior dos leucocitos (glóbulos brancos), causando, na maioria dos casos, uma imunossupressão. Ou seja, uma diminuição das atividades do sistema imunológico dando brecha para inicialização de várias doenças mentais e físicas.

Desta forma, quando o indivíduo sofre com estresse crônico sua capacidade de concentração é reduzida, ocasionando perdas de memória durante vários dias, junto com a dificuldade de aprender novas coisas, por mais simples que elas possam ser. Isso ocorre pois, com os altos níveis de cortisol, o processo de perda de neurônios é acelerado.

Outro risco do estresse crônico está na propensão a ter um AVC, devido ao aumento da frequência cardíaca e pressão arterial. A fertilidade também está relacionada ao estresse crônico, visto que a libido feminina é reduzida. Já nos homens o efeito do estresse crônico pode aparecer com disfunção erétil e falta de libido.

O sistema digestivo também é duramente afetado pelos efeitos do estresse causando desde sintomas mais leves como gases, passando por bandeiras amarelas como longos períodos de constipação ou diarreia, que desestabilizam toda a microbiota intestinal. 

Outro problema decorrente do estresse é o desenvolvimento de doenças como a síndrome do intestino irritável, ou até mesmo úlceras. Por conta da falta de homeostase intestinal outras partes do corpo são afetadas, como o sono e o humor.  Por isso é necessário evitar os momentos de estresse e manter o sistema digestivo, principalmente o intestino, saudável por meio da remodelação da microbiota intestinal.

Como evitar o estresse crônico?

Sabemos que com a vida moderna é quase impossível não ter episódios de estresse, seja por questões familiares, profissionais ou um trânsito inesperado. No entanto, como explicamos no início deste artigo, nosso corpo está preparado para esses pequenos momentos de estresse. O que deve ser evitado é o estresse crônico, para isso praticar atividades físicas e manter o corpo e mente em equilíbrio podem ajudar.

Outro fator importante para minimizar os impactos do estresse crônico é manter a microbiota intestinal saudável por meio do consumo de alimentos prebióticos, probióticos e simbióticos que são encontrados nos legumes, frutas e grãos como: Feijões, aveia banana, aspargo, cebola, alho entre outros. 

Uma forma fácil de manter o sistema digestivo em bom funcionamento, é através da suplementação de prebióticos, com o Efeom LL1.

Como é a sua rotina diária? Você passa por situações de estresse constante? É essencial tomarmos alguns cuidados para evitar consequências mais graves ao nosso organismo e ao nosso corpo. Continue acompanhando nosso blog para ter acesso a mais dicas de como manter uma vida mais saudável. 

Notícias relacionadas