efeom

08/03/2022

O papel do microbioma exerce um papel muito importante no envelhecimento humano impactando diretamente o envelhecimento através do sistema gastrointestinal. A senescência celular é um processo de envelhecimento intrínseco que foi recentemente associado ao desequilíbrio da microbiota intestinal. Com a idade, as células tornam-se senescentes em resposta ao estresse que são submetidas ao longo da vida, as células senescentes sofrem uma parada irreversível do crescimento mantendo uma alta atividade metabólica. Um acúmulo de células senescentes tem sido associado a ao desenvolvimento de diversas doenças crônicas e de envelhecimento precoce devido a uma superexpressão de marcadores como citocinas pró-inflamatórias, quimiocinas, fatores de crescimento, proteases, lipídios e componentes da matriz extracelular.

O trato gastrointestinal abriga um ecossistema complexo que é composto por trilhões de bactérias, fungos e microrganismos que compõe a microbiota intestinal. A microbiota intestinal trabalha para manter a saúde e a homeostase do hospedeiro por meio de um delicado equilíbrio entre bactérias benéficas e bactérias patogênicas. As comunidades microbianas dentro do trato gastrointestinal humano auxiliam na produção e síntese de vitaminas, aminoácidos, ácidos graxos de cadeia curta e metabólitos por meio da ativação de enzimas e vias metabólica. Juntos, eles contribuem para a digestão adequada dos alimentos, metabolismo xenobiótico (substâncias químicas estranhas ao organismo humano) e a produção de várias moléculas bioativas.

Um desequilíbrio na microbiota intestinal pode resultar em disbiose. Um estado disbiótico é caracterizado pela redução na diversidade de espécies bacterianas, além da perda de bactérias benéficas. As variações na diversidade microbiana também podem afetar a função do microbioma, aumentando a permeabilidade intestinal, prejudicando a absorção dos nutrientes, a metabolização dos alimentos e a regulação do sistema imunológico.

A composição da microbiota tem sido associada ao envelhecimento e à inflamação associada à idade. Os dois filos mais dominantes no microbioma intestinal, representando até 90% dos microorganismos residentes no intestino são os Firmicutes e os Bacteriodetes. O equilíbrio na proporção entre Firmicutes/Bacteriodetes é essencial para a produção de ácidos graxos de cadeia curta, como butirato e propionato. Durante o processo de envelhecimento pode ocorrer uma redução repentina no filo Firmicutes e um aumento no filo Bacteriodetes, resultando em uma diminuição da razão Firmicutes/Bacteriodetes, o que prejudica a produção de ácidos graxos de cadeia curta.

No geral, a disbiose relacionada à idade pode promover a progressão do envelhecimento, inflamação e fragilidade, causando um impacto negativo na saúde e na longevidade. O papel da alimentação na regulação de uma constituição da microbiota intestinal é primordial para o envelhecimento saudável. Hábitos alimentares saudáveis com refeições ricas em prebióticos como os β-glucanos possuem propriedades anti-inflamatórias que ajudam a combater a inflamação crônica de baixo grau associada ao envelhecimento, promovendo a melhora a qualidade de vida e longevidade através da microbiota intestinal.

Fonte

Boyajian JL, Ghebretatios M, Schaly S, Islam P, Prakash S. Microbiome and Human Aging: Probiotic and Prebiotic Potentials in Longevity, Skin Health and Cellular Senescence. Nutrients. 2021 Dec 18;13(12):4550. doi: 10.3390/nu13124550. PMID: 34960102; PMCID: PMC8705837.

Notícias relacionadas